A depressão é um transtorno grave do humor que afeta 6,7% dos adultos e 3,3% de jovens entre 13 e 18 anos nos Estados Unidos. Estudos tem demonstrado que a canabis possui efeitos antidepressivos e antipsicóticos.

Visão geral

A depressão é um distúrbio do humor que causa problemas emocionais e um sentimento persistente de tristeza e indiferença. Este tipo de condição afeta o cérebro e tem como causa uma combinação de fatores genéticos, ambientais e psicológicos.

Existem várias formas de depressão. Um distúrbio depressivo maior (DDM) está associado a sintomas graves que afetam a habilidade de se viver um dia normalmente. Embora um caso de depressão possa ocorrer uma única vez, as pessoas diagnosticadas com a doença tipicamente experimentam diversos episódios ao longo da vida. Um transtorno depressivo é considerado persistente quando ele dura mais de dois anos, apresentando sintomas com intensidade variada. O transtorno bipolar, também chamado de maníaco-depressivo, causa um ciclo de alterações extremas de humor.


Algumas formas de depressão podem surgir após experiências traumáticas. A depressão psicótica ocorre quando uma pessoa apresenta um quadro de depressão grave e alguma forma de psicose. A depressão pós-parto pode afetar mães de primeira viagem, devido às alterações físicas e hormonais que experimentam, além da sensação de estarem sobrecarregadas com as novas tarefas e responsabilidades. O transtorno afetivo sazonal se desenvolve durante os meses de inverno quando estamos menos expostos à luz natural do sol.

A depressão causa sentimentos de tristeza ou desânimo, explosão de raiva, perda de interesse ou prazer, distúrbios do sono, falta de energia, ansiedade, alterações no apetite e sentimentos de inutilidade.  A condição pode ser tratada com medicação e acompanhamento psicológico. Para alguns que experimentam casos de depressão grave pode ser necessário internamento ou outros programas de tratamento.

Descobertas sobre os efeitos da canabis na depressão

Diferentes pesquisas descobriram que o sistema endocanabinoide está associado à regulação do humor. Uma disfunção no sistema, que leva a uma redução na concentração de canabinoides, foi associada à depressão e distúrbios do humor (14, 17, 12, 21). Esta disfunção é provavelmente causada por estresse crônico, conforme um estudo que descobriu que a exposição a diferentes formas de estresse reduz significativamente a concentração de endocanabinoides em mulheres diagnosticadas com DDM (16).

Estas descobertas sugerem que os canabinoides, como o THC (tetraidrocanabinol) e o CBD (canabidiol) encontrados na canabis influenciam o sistema endocanabinoide, podendo auxiliar sua regulação, oferecendo potencial terapêutico( 2, 15, 21). Os canabinoides têm demonstrado promover a neurogênese no hipocampo, sugerindo que poderiam produzir efeitos ansiolíticos e antidepressivos (19).


    Estudos confirmaram que tanto o THC quanto o CBD oferecem efeitos sedativos, antipsicóticos e antidepressivos (3, 10, 22). Um estudo clínico com animais descobriu que a administração de canabinoides foi capaz de normalizar a função endocanabinoide e por consequência, estabilizar o humor e aliviar a depressão (13).

    Diversos estudos com animais têm demonstrado os efeitos antidepressivos e ansiolíticos (antiansiedade) do CBD (7, 24, 10). Em outro estudo com humanos, a administração de CBD antes ou depois que indivíduos foram condicionados a uma caixa colorida com choques elétricos gerou uma redução na resposta contextual automática, sugerindo que o CBD poderia ser eficaz no tratamento de distúrbios de ansiedade (6). Mais recentemente, em um estudo com animais, foi descoberto que o CBD rapidamente gera efeitos antidepressivos e ansiolíticos (20). Evidências indicam que é a interação do CBD com o neuroreceptor 5-HT1A que causa estes efeitos (7, 24).

    Foi descoberto que o THC altera a resposta a imagens e emoções negativas. Em um estudo, pessoas com THC na corrente sanguínea experimentaram uma redução na propensão negativa de processamento emocional (4). Um estudo com humanos descobriu que o THC e o CBD são eficazes na redução da resposta à expressões faciais assustadoras (11).

    A canabis também pode auxiliar no gerenciamento de riscos à saúde associados à depressão, já que ela está vinculada a um maior risco de se desenvolver doenças cardiovasculares e pressão arterial sistólica em repouso mais alta. No entanto, um estudo descobriu que a administração de canabinoides em mulheres diagnosticadas com depressão foi eficaz no controle da pressão alta (18).

    É importante observar que o uso de maconha havia sido associado a um maior risco de sintomas de depressão (5). Porém, uma pesquisa descobriu que adultos que usam maconha regularmente não tem uma maior propensão à depressão do que quem não usa (8). Além disso, um estudo de 2012 descobriu que as taxas de suicídio, no geral, diminuíram em 5% nos estados onde existe uma legislação que regulamenta o uso de maconha medicinal, logo após sua implantação. Alterações nas leis relacionadas à maconha causaram uma diminuição de 11% na taxa de suicídios em homens entre 20 e 29 anos de idade e 9% entre 20 e 39, com uma diminuição drástica em jovens entre 15 e 19 anos (1).

    Estudos recentes sobre os efeitos da canabis na depressão

    Referência:

    1. Anderson, D.M., Rees, D.I., and Sabia, J.J. (2012, January 7). High on Life? Medical Marijuana Laws and Suicide. Cato Institute, 17. Retrieved from
      http://object.cato.org/sites/cato.org/files/pubs/pdf/research_brief_17.pdf.
    2. Ashton, C.H., and Moore, P.B. (2011, October). Endocannabinoid system dysfunction in mood and related disorders. Acta Psychiatrica Scandinavica, 124(4), 250-61. Retrieved from
      http://onlinelibrary.wiley.com/wol1/doi/10.1111/j.1600-0447.2011.01687.x/full.
    3. Ashton, C.H., Moore, P.B., Gallagher, P., and Young, A.H. (2005). Cannabinoids in bipolar affective disorder: a review and discussion of their therapeutic potential. Journal of Psychopharmacology, 19(3), 293-300. Retrieved from
      http://journals.sagepub.com/doi/pdf/10.1177/0269881105051541.
    4. Bossing, M.G., van Hell, H.H., Jager, G., Kahn, R.S., Ramsey, N.F., and Jansma, J.M. (2013, December). The endocannabinoid system and emotional processing: a pharmacological fMRI study with ∆9-tetrahydrocannabinol. European Neuropsychopharmacology, 23(12), 1687-97. Retrieved from
      http://www.europeanneuropsychopharmacology.com/article/S0924-977X(13)00195-8/fulltext.
    5. Bricker, J.B., Russo, J., Stein, M.B., Sherbourne, C., Craske, M., Schraufnagel, T.J., and Roy-Byrne, P. (2007). Does occasional cannabis use impact anxiety and depression treatment outcomes?: Results from a randomized effectiveness trial. Depression and Anxiety, 24(6), 392-8. Retrieved from
      http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/da.20248/pdf.
    6. Das, R.K., Kamboj, S.K., Ramadas, M., Yogan, K., Gupta, V., Redman, E., Curran, H.V., and Morgan, C.J. (2013, April). Cannabidiol enhances consolidation of explicit fear extinction in humans. Psychopharmacology, 226(4), 781092. Retrieved from
      http://link.springer.com/article/10.1007%2Fs00213-012-2955-y.
    7. de Mello Schier, A.R., de Oliveira Ribeiro, N.P., Coutinho, D.S., Machado, S., Arias-Carrion, O., Crippa, J.A., Zuardi, A.W., Nardi, A.E., and Silva, A.C. (2014). Antidepressant-like and anxiolytic-like effects of cannabidiol: a chemical compound of Cannabis sativa. CNS & Neurological Disorders Drug Targets, 13(6), 953-60. Retrieved from
      http://www.eurekaselect.com/122699/article.
    8. Denson, T.F., and Earleywine, M. (2006, April). Decreased depression in marijuana users. Addictive Behaviors, 31(4), 738-742. Retrieved from
      http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0306460305001577.
    9. Depression (major depressive disorder). (2015, July 22). Mayo Clinic. Retrieved from
      http://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/depression/basics/definition/con-20032977.
    10. El-Alfy, A. T., Ivey, K., Robinson, K., Ahmed, S., Radwan, M., Slade, D., … Ross, S. (2010). Antidepressant-like effect of Δ9-tetrahydrocannabinol and other cannabinoids isolated from Cannabis sativa L. Pharmacology, Biochemistry, and Behavior, 95(4), 434–442. Retrieved from
      https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2866040/.
    11. Fusar-Poli, P., Crippa, J.A., Bhattacharyya, S., Borgwardt, S.J., Allen, P., Martin-Santos, R., Seal, M., Surguladze, S.A., O’Carrol., C., Atakan, Z., Zuardi, A.W., and McGuire, P.K. (2009, January). Distinct effects of {delta}9-tetrahydrocannabinol and cannabidiol on neural activation during emotional processing. Archives of General Psychiatry, 66(1), 95-105. Retrieved from
      http://jamanetwork.com/journals/jamapsychiatry/fullarticle/482939.
    12. Gorzalka, B.B., and Hill, M.N. (2011, August 15). Putative role of endocannabinoid signaling in the etiology of depression and actions of antidepressants. Progress in Neuro-Pschopharmacology & Biological Psychiatry, 35(7), 1575-85. Retrieved from
      http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0278584610004380.
    13. Haj-Dahmane, S., and Shen, R.Y. (2014, October 29). Chronic stress impaires α1-adrenoceptor-induced endocannabinoid-dependent synaptic plasticity in the dorsal raphe nucleus. The Journal of Neuroscience, 34(44), 14560-14570. Retrieved from
      https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4212061/.
    14. Hill, M.N., and Gorzalka, B.B. (2009, December). The endocannabinoid system and the treatment of mood and anxiety disorders. CNS & Neurological Disorders Drug Targets, 8(6), 451-8. Retrieved from
      http://www.eurekaselect.com/93571/article.
    15. Hill, M.N., Hillard, C.J., Bambico, F.R., Patel., S, Gorzalka, B.B., and Gobbi, G. (2009, September). The therapeutic potential of the endocannabinoid system for the development of a novel class of antidepressants. Trends in Pharmacological Sciences, 30(9), 484-93. Retrieved from
      http://www.cell.com/trends/pharmacological-sciences/abstract/S0165-6147(09)00121-7?_returnURL=http%3A%2F%2Flinkinghub.elsevier.com%2Fretrieve%2Fpii%2FS0165614709001217%3Fshowall%3Dtrue.
    16. Hill, M. N., Miller, G. E., Carrier, E. J., Gorzalka, B. B., & Hillard, C. J. (2009). Circulating Endocannabinoids and N-Acyl Ethanolamines Are Differentially Regulated in Major Depression and Following Exposure to Social Stress. Psychoneuroendocrinology, 34(8), 1257–1262. Retrieved from
      https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2716432/.
    17. Hillard, C. J., & Liu, Q. (2014). Endocannabinoid Signaling in the Etiology and Treatment of Major Depressive Illness. Current Pharmaceutical Design, 20(23), 3795–3811. Retrieved from
      https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4002665/.
    18.  18.Ho, W. V., Hill, M. N., Miller, G. E., Gorzalka, B. B., & Hillard, C. J. (2012). Serum contents of endocannabinoids are correlated with blood pressure in depressed women. Lipids in Health and Disease, 11, 32. Retrieved from
      https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3334711/.
    19.  19.Jiang, W., Zhang, Y., Xiao, L., Van Cleemput, J., Ji, S.P., Bai, G., and Zhang, X. (2005, November). Cannabinoids promote embryonic and adult hippocampus neurogenesis and produce anxiolytic- and antidepressant-like effects. Journal of Clinical Investigation, 115(11), 3104-3116. Retrieved from
      https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1253627/.
    20.  20.Linge, R., Jimenez-Sanchez, L, Campa, L., Pilar-Cuellar, F., Vidal, R., Pazos, A., Adell, A., and Diaz, A. (2016, April). Cannabidiol induces rapid-acting antidepressant-like effects and enhances cortical 5-HT/glutamate neurotransmission: role of 5-HT1A receptors. Neuropharmacology, 103, 16-26. Retrieved from
      http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0028390815302136.
    21.  21.Smaga, I., Bystrowska, B., Gawliński, D., Pomierny, B., Stankowicz, P., & Filip, M. (2014). Antidepressants and Changes in Concentration of Endocannabinoids and N-Acylethanolamines in Rat Brain Structures. Neurotoxicity Research, 26(2), 190–206. Retrieved from
      https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4067538/.
    22.  22.Walsh, Z., Gonzalez, R., Crosby, K., S Thiessmen, M., Carroll, C., and Bonn-Miller, M.O. (2016, October 12). Medical cannabis and mental health: A guided systematic review. Clinical Psychology Review, 51, 15-29. Retrieved from
      http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0272735816300939.
    23.  23.What Is Depression? (n.d.). National Institute of Mental Health. Retrieved from
      https://www.nimh.nih.gov/health/topics/depression/index.shtml.
    24. Zanelati, T., Biojone, C., Moreira, F., Guimarães, F., & Joca, S. (2010). Antidepressant-like effects of cannabidiol in mice: possible involvement of 5-HT1A receptors. British Journal of Pharmacology, 159(1), 122–128. Retrieved from
      https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2823358/.
    Categories: Depression

    Leave a Reply

    Your email address will not be published. Required fields are marked *