O sistema endocanabinóide

O movimento legal da cannabis começou em São Francisco no início dos anos 90, quando foi descoberto que a cannabis tratava muitos dos sintomas que os pacientes com SIDA sofriam, incluindo a dor. Foram as leis de maconha medicinal que mudaram o status legal da maconha em todo o país, abrindo as portas para um mercado de uso adulto e criando um caminho para a legalização total. Pacientes com cannabis em todo o país usaram a planta para tratar um número crescente de condições médicas.

Qual é o sistema endocanabinoide?

Como a cannabis atende a tantas condições diferentes? Como o corpo interage com a planta para produzir esses efeitos medicinais? Que pesquisas foram feitas para demonstrar a eficácia da cannabis medicinal? Para mergulhar nessas questões, é crucial ter uma compreensão básica do sistema canabinóide endógeno, também conhecido como sistema endocanabinóide (ECS).

O sistema endocanabinóide é responsável por manter a homeostase no organismo. A definição de homeostase da Enciclopédia Britânica é: “qualquer processo auto-regulador pelo qual os sistemas biológicos tendem a manter a estabilidade enquanto se ajustam a condições que são ótimas para a sobrevivência. Se a homeostase for bem sucedida, a vida continua; se mal sucedido, o desastre ou a morte acontecem. ”O sistema endocanabinóide é composto de três partes: receptores de canabinoides, endocanabinóides e enzimas metabólicas.

Está lá, trabalhando pra você:

Os receptores endocanabinóides são encontrados em todo o corpo na superfície das células do cérebro, órgãos, tecidos e glândulas. Esses receptores são incorporados nas membranas celulares e produzem reações variadas quando estimulados por canabinóides. Os canabinóides vêm de dois lugares distintos – o corpo, que produz endocanabinóides que ocorrem naturalmente, e a planta de cannabis, que produz fitocanabinóides. A terceira parte do ECS é enzimas metabólicas. As enzimas metabólicas atuam como um árbitro natural na medida em que destroem os endocanabinóides, uma vez utilizados e não mais úteis ao organismo.

Receptores canabinoides

Dois receptores canabinóides foram descobertos pelos pesquisadores: CB1 e CB2. CB1 é encontrado no sistema nervoso central e periférico. Também é encontrado no cérebro e é o receptor com o qual o THC interage, dando ao usuário uma alta. Os receptores CB2 são predominantemente encontrados no sistema imunológico e no sistema gastrointestinal, onde regulam as respostas inflamatórias nos intestinos. Os receptores CB2 também são encontrados no cérebro, embora não tão densamente quanto os receptores CB1. Estes receptores, uma grande parte do sistema endocanabinóide, desempenham papéis na regulação da atividade cardiovascular, apetite, humor, memória e dor no corpo..

 

Categories: Sobre a CBD

0 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *